Ásia

Whale’s Belly, Bangkok- Jantar na barriga duma baleia, num dos melhores restaurantes da Tailândia

Whale’s Belly, Bangkok- Jantar na barriga duma baleia, num dos melhores restaurantes da Tailândia

    Este ano festejámos a noite de ano novo, com um dia de antecedência, ao surgir a oportunidade de ir jantar a um dos melhores restaurantes da Tailândia, o Whale’s Belly. Apesar de ter um nome de Pub Inglês à beira mar, este restaurante é certamente dos restaurantes mais sofisticados onde estive, com uma decoração em tons de azul, que mistura o moderno e o clássico, com um chic de bom gosto. O elemento mais peculiar, é mesmo o tecto, num ondulado branco, que faz mesmo pensar na barriga duma baleia.   Antes de vos descrever o jantar, tenho que admitir que sou uma pessoa muito pouco sofisticado a nível culinário (bom, a outros níveis também, mas isso agora não interessa!) Lembro-me um episódio em que descrevia um almoçarada em Portugal ao meu antigo chefe francês (ele sim, uma pessoa sofistificada), em que gabava uma costoleta de novilho de 800 g, ao que ele afirmou/perguntou, a brincar, “Porque para ser bom, tem de ser muito!”…ao qual eu respondi…claro! O conceito de uma boa refeição em Portugal, com pequenas doses, ali na fronteira entre ter fome e estar satisfeito é ainda desconhecido. (e que para muitos é considerado como uma ofensa à boa hospitalidade lusitana!). O Whale’s Belly  é daquele tipo de restaurantes, que quando nos sentamos e olhamos para os talheres nos sentimos como a Julia Roberts no Pretty Woman, sem saber qual utilizar. Seguindo o conselho de etiqueta, é começar de fora para dentro! O nosso jantar ia ser um menu de degustação de nove (nove!!) pratos, preparados pelo Chef Mai, uma espécie de celebridade no meio culinário tailandês, por ter ganho o concurso televisivo do Iron Chef 2014, em que chefes profissionais dos melhores restaurantes vão competir com o chefe superstar, residente do programa. Bom, no Whale’s Belly, podemos dizer que a experiência culinária de certa maneira é a oposta à Portuguesa (ps: a cozinha portuguesa continua a ser a melhor do mundo!) , porque tudo é preparado com imensa delicadeza e precisão, em doses de tamanho moderado, para poder apreciar cada garfada com o máximo prazer. Cada ingrediente é cuidadosamente pensado para poder ter o efeito desejado final, juntamente com todos os outros. O contraste de sabores, entre o doce e o salgado, o ácido e suave, assim como o contraste de texturas está presente em todos os pratos, e faz parte do prazer da...

Continuar a ler

Ayutthaya- Os 5 sítios a visitar na antiga capital do Reino de Sião

Ayutthaya- Os 5 sítios a visitar na antiga capital do Reino de Sião

  Imaginem a cidade de Lisboa, em 1740, na altura umas das mais imponentes cidades do mundo certamente. Imaginem agora, que em vez dum terramoto, uma invasão espanhola, os inimigos de sempre,  tivesse destruído toda a cidade de Lisboa…a devastação foi tal que a capital mudou-se um pouco mais a sul, para Setúbal… Um cenário surreal, catastrófico não? Pois foi o que aconteceu ao reino de Sião em 1767, quando os inimigos de sempre, os Birmaneses, derrotaram as forças tailandesas e destruiram por completo a capital do reino do Sião, na  época uma das cidades mais bonitas do mundo, incendiando a grande maioria dos edifícios, não por pura maldade, mas por ganância, para obter o ouro que cobria palácios, templos e estátuas. A capital mudou-se para Bangkok, e Ayutthaya tornou-se hoje em dia numa pequena cidade, que vive em grande parte dos turistas que vêm durante o dia para visitar as ruínas da antiga capital Tailandesa. Há literalmente dezenas de templos, palácios e ruínas em geral, pelo que pode ser difícil de nos orientar-mos, especialmente para quem vem durante um dia. Como preparar uma visita a Ayutthaya? Antes de mais, a melhor maneira de chegar é não apanhar uma das tours de Khao San road para turismo backpacker de massas mas vir de comboio e pagar 15 Bahts em terceira classe! (menos de 50 cêntimos de euros!). Existem comboios regularmente quase de hora a hora. Ao chegar, a melhor maneira de andar entre os templos é alugar uma bicicleta, por 50 Bahts por dia. Porém, sabendo que há 2 templos dos obrigatórios que estão um pouco mais afastados, preparem-se para uma boa pedalada. Alternativamente o melhor será mesmo alugar uma scooter, ou, combinar o aluguer de bicicletas com um tuk tuk para os templos mais distantes. Dito isto, quais são os sítios que tem mesmo que se visitar em Ayutthaya?   1) Wat Yai Chai Mongkol Este templo é o mais afastado de todos, se bem que seja o mais perto da estação de caminho de ferro. Se optarem por visitar os templos mais longe de tuk tuk, idealmente venham aqui logo que chegarem a Ayutthaya. É o templo onde poderão ver as estátuas de budas em melhor estado de conservação. Vão mesmo apanhar um fartote delas, tal são numerosas, a rodear por completo o templo principal! 2) Wat Mahathat o Wat Mahathat está localizado no início do recinto histórico de...

Continuar a ler

O que ver em Bangkok- 10 coisas a não perder

O que ver em Bangkok- 10 coisas a não perder

Bangkok. Não sei quanto a vocês, mas este nome a mim, mesmo antes de conhecer esta cidade, fazia-me vir logo à cabeça uma imagem de exotismo, luxúria, decadência, espiritualismo,hospitalidade, gastronomia, tudo num só bafo de calor húmido! Tal como em todas as imagens feitas, há um fundo de verdade nestas palavras. Bangkok é o que se quiser ser. Pode ser um antro de imoralidade se estivermos interessados em produtos falsificados, stripteases ou algo mais hardcore. Pode ser um sítio espiritual com dezenas de templos espalhados pela cidade, com os caracterísicos monges de vestes cor de laranja e cabeça rapada. Pode ser ainda um megacidade moderna asiática, à semelhança de Singapura e HongKong. Pode ainda ser a capital mundial dos Backpackers ou um sitio para quem gosta de bem comer! Bangkok abre as portas para uma das regiões mais atractivas para quem começa a fazer grandes viagens: o Sudoeste Asiático, e mais especificamente a Tailândia. As suas gentes simpáticas, preços em conta, praias paradísicas, comida de sabores diferentes e cultura exótca fazem desta zona do globo um dos sítios mais fáceis e apetecíveis para se viajar. Com tanta coisa para ver, não só na Tailândia mas em toda a região, o tempo reservado a Bangkok nem sempre é o merecido. Mas na breve passagem que os viajantes fazem pela capital Tailandesa, há certas coisas que são obrigatórias, para ficar a conhecer bem  a capital Aqui fica o meu top 10 1) Palácio Real O complexo do Palácio Real é sem dúvida a maior atração turística de Bangkok. As multidões de turistas, os vendedores à porta, os motoristas de taxi e tuk tuk a tentarem enganar-nos, tudo isso o comprova. Acima de tudo, o que o comprova é a grandiosidade deste sítio, que mais que um palácio Real é mesmo um complexo de templos, de cúpulas douradas, de budas em pedra e dourados, de estátuas de guerreiros que protegem este sítio duma arquitectura de traços orientais carregados, mas agradáveis.   2) What pho Se bem que o Palácio Real seja o maior complexo de templos de Bangkok, o maior e mais impressionante buda fica mesmo em What Pho. Localizado não muito longe do Palácio Real, é neste templo que vamos encontrar o Buda gigante dourado deitado. O tamanho do senhor é imponente, sendo um verdadeiro desafio para o captar numa foto fidedigna da imensidão real. 3) Passeio de barco Uma coisa...

Continuar a ler

Angkor Wat- Há sítios que temos de ver uma vez na vida- Este é um deles

Angkor Wat- Há sítios que temos de ver uma vez na vida- Este é um deles

  Volta e meio há um capa de revista que enumera os “10 sítios a visitar antes de morrer” (agora que penso, vi estes artigos em inglês, onde “before you die”, por alguma razão, soa menos mórbido que “antes de morrer”!) Anyway, quando vejo estes artigos não posso deixar de sorrir, porque bom, cada lista vale o que vale, e há tanta variedade, beleza e sítios incriveis no mundo que é difícil de os comparar objectivamente (como podemos comparar as dunas de Sossuvlei, na Namíbia) com o Taj Mahal ou com o Blyde River Canyon?).   Mas se fizermos uma lista um pouco mais objectiva, do género, as 10 Maravilhas Históricas a ver uma vez na vida, aí as coisas são mais simples e menos controversas. Monumentos como o Taj Mahal, as pirâmides do Egipto, Petra ou Machu Pichu têm que fazer parte desta lista. Angkor Wat, no Cambodja também. Para quem visita o Sudoeste Asiático pela primeira vez, Angkor Wat tem que fazer parte do itinerário, ainda para mais quando fica somente a um dia de viagem de autocarro ou a duas horas de avião de Bangkok, uma das portas  de entrada (e saída) mais conveniente para toda a região. Ou seja, se estavam a pensar ir só à Tailandia, tirem alguns dias às praias para vir aqui. Se estão a pensar ir ao Vietname, entrem por Bangkok, e passem 2 ou 3 dias no Cambodja. Como se Angkor Wat não fosse suficiente, têm todo um país de arrozais verdes, gentes simples e simpáticas e um sentimento que este país ainda é muito mais autêntico que os seus vizinhos mais desenvolvidos!   Falando de Angkor Wat propriamente dito e como diria o outro, é um Mundo! Um mundo de templos antigos, um mundo de civilização antiga, um mundo de histórias de guerras, invasões, destruição, com muita religião à mistura. Podemos passar dias e dias em Angkor Wat, especialmente para aqueles com um lado de Indiana Jones, que adoram tudo o que diga respeito a arqueologia. O recinto arqueológico de Angkor Wat estende-se por quilómetros e quilómetros, com dezenas de templos de todos os tamanhos, feitios e estados de conservação.Para quem queira explorar os tempos mais remotos, contem com várias horas de estrada para lá chegar!   Há programas para todo o tipo de viajantes, desde um dia, a três, ou mesmo a uma semana! Como o meu lado Indiana Jones...

Continuar a ler

Onde vamos andar no próximo mês- Algumas mudanças nos planos da viagem!

Onde vamos andar no próximo mês- Algumas mudanças nos planos da viagem!

  Depois de vos ter contado o contratempo médico que se passou em Hanói, o show must go on, e já estamos em Bangkok! Hanói é uma cidade incrível para visitar, para estar alguns dias, mas com esta brincadeira acabámos por lá ficar 3(!!) semanas! A capital vietnamita é um fervilhar de scooters por todos os lados, gente a cozinhar nos passeios, vendedores por todos os lados. Juntemos a isso um céu enublado e um moral um pouco em baixa com todo este episódio e chegámos a um ponto que já não conseguíamos passar mais um dia por lá! E pronto, voltámos a Bangkok, a nossa base no Sudoeste Asiático, onde gostamos de estar, já temos os nossos sítios preferidos e onde há centenas de coisas a fazer (e a comer- adoramos a comida por aqui!) A nível clínico, as coisas estão muito melhores mas ainda não estão nos trinques. Antes de partir, o Neurologista vietnamita estava contente com a recuperação mas aconselhou a fazer fisioterapia para acelarar a recuperação. Felizmente tenho uma amiga tailandesa (que deu as suas tips para visitar Bangkok e a Tailândia num post),que me deu um óptimo contacto de uma fisiterapeuta que analisou as minhas costinhas e disse que basicamente isto está tudo torto e vai ser preciso uma boa dose de fisiterapia. Um mês para ser preciso! Se de um lado foi um choque saber que vamos ter que ficar em Bangkok um mês, (com sessões de Fisiteorapia de 3 horas!), o que significa que não vamos poder ir visitar as Ilhas tailandesas, Singapura e uma boa parte da Indonésia, por outro lado, estamos contentes de poder viver numa mega cidade asiática durante um mês, e ter tempo para trabalhar em alguns projectos pessoais com mais tempo (sim, estou a falar, entre outros, deste blog! 🙂 Acima de tudo o mais importante é curar completamente o problema e estar em forma e poder completar a viagem. O objectivo é finais de Janeiro estar 100% recuperado para podermos atacar a Australia, NZ e América Latina, sem nenhum problema de súde. Os últimos dias foram passados a procurar freneticamente um apartamento, próximo da clínica, e que tenha piscina, para facilitar a recuperação! Encontrámos hoje um, por 18 euros dia, (o nosso orçamento de Bangkok vai ser um pouco aumentado este mês, para podermos aproveitar um pouco melhor a cidade). Podem ver a piscina, por isso,...

Continuar a ler

Ilha de Apo- Filipinas- Nadar com tartarugas num dos melhores spots de mergulho do mundo (Vídeo)

Ilha de Apo- Filipinas- Nadar com tartarugas num dos melhores spots de mergulho do mundo (Vídeo)

  Sabem aquela sensação de quando viajamos e, no meio de várias alternstivas, com tempo limitado, escolhemos uma e ao lá chegar temos um suspiro de alívio, felicidade e paz interior que a escolha foi acertada? Chegarmos à Ilha de Apo, na parte sul do Arquipélago central das Filipinas, as Vysaias, foi exactamente assim… Por falta de tempo/preparação/outras prioridades, condicionados ainda por visitar as Filipinas na época dos Tufões, não foi fácil planear o nosso itinerário, com apenas 15 dias ( sim, o problema de viajar à volta do mundo, mesmo durante um ano é que não há tempo para tudo!). Queríamos encontrar um sítio bom para mergulhar, fazer praia ao mesmo tempi e não fosse mega turístico (como Boracay). Depois de várias recomendações decidimos nos dirigir à pequena ilha vulcânica de Apo, ao largo da Ilha de Negros, sobretudo pela reputação de ser um dos melhores sítios do mundo para mergulhar. Como é uma ilha muito pequena, com ofertas de alojamento limitadas, acabámos por ficar 3 noites em Negros, na zona de Dauin, antes de irmos a Apo. Tenho que confessar que este lado oriental de Negros, com praias de areias cinzenta não é a típica praia paradisíaca filipina, se bem que seja muito tranquila. Mas finalmente conseguimos arranjar uma expedição de mergulho a Apo de um dia, com 3 mergulhos enquanto a Hélène fazia snorkeling. Conosco veio também um senhor americano que tinha passado os últimos anos no Iraque e Afeganistão como mecânico de aviôes até ter sido atingido por um rocket taliban, como a enorme cicatriz na sua perna testemunhava… Podem imaginar que tive conversas bastante interessantes naquele barco! A viagem da costa de Negros até Apo demora cerca de 40 minutos, numa banca,o típico barco filipina, uma espécie de piroga melhorada! Ao lá chegarmos, conseguimos ver logo que a água é completamente transparente com uma das melhores visibilidades que já vi no mundo….e começamos logo a ver as tartarugas também, a melhor razão de vir a este sítio mergulhar! Deixo-vos um pequeno vídeo de como é mergulhar por lá! http://youtu.be/NgayAD58q9g O meu conselho é que Apo seja obrigatório para quem gosta de mergulhar ou mesmo só snorkeling. A praia confesso é muito pequena e nada de especial, mas este é um sítio que vimos para estar dentro da água! Há alguns sítios para ficar na ilha, para diferentes bolsas. A maioria consegue arranjar programas de...

Continuar a ler