Como é andar pelo Soweto de bicicleta- vídeo

 

Em quase todas as grandes cidades da África do Sul nasceu um tipo de turismo com o qual, admito, não me sinto muito à vontade, que é o turismo de pobreza, que consiste basicamente em ir visitar as townships, os bairros pobres nas periferias urbanas. Talvez por insensibilidade ou sensibilidade de mais, não gosto muito deste tipo de experiências…não sinto que precise de ir ver a miséria de mais perto, as dificuldades mesmo à minha frente, as desigualdades mesmo ao pé, para me dar conta delas. Sei que existem e não preciso que mas esfreguem na cara….

Porém vejo o valor  deste tipo de turismo, que põe caras e pessoas na pobreza que normalmente só vemos da janela do carro, ao passar pelas townships na auto estrada, e mostra como estas comunidades, na sua pobreza, se desenvolvem à volta do mesmo tipo de coisas como em todo o lado:vizinhos, crianças, uma igreja, um bar, uma loja, escolas e tudo o resto. Podem-nos mostrar ainda que visitar um destes sítios pode ser seguro (desde que acompanhados por alguém local!) Para além disso, se feito duma maneira correcta, este tipo de turismo ajuda as comunidades locais, trazendo dinheiro do turismo que de outra maneira nunca chegaria aqui.

Foi assim com alguns sentimentos contraditórios que fomos visitar o Soweto, uma das maiores townships da África do Sul e certamente a mais famosa. Pelos piores motivos sendo este nome associado frequentemente a criminalidade e instabilidade, um legado acima de tudo da época do fim do Apartheid e da transição para o novo regime(numa altura que esta zona era palco de conflictos entre diferentes facções nativas), mas também pelos melhores motivos, já que o Soweto foi onde Nelson Mandela morou antes de ser preso e onde ainda mora um outro prémio Nobel da Paz, Desmond Tutu. O Soweto é aliás o único sítio do mundo que tem uma rua onde moraram dois prémios Nobel da Paz!  Esta township teve ainda um papel fundamental na luta contra o Apartheid, especialmente pelas suas manifestações de estudantes em 1976 que, para muitos, marcou o início do fim do regime do Apartheid.

A melhor maneira de ver esta township é sem dúvida de bicicleta, que permite deslocar-se entre os diferentes pontos de interesse com relativa velocidade, permitindo ainda interagir com as pessoas, sempre super simpáticas e acolhedoras, e acima de tudo, sempre em segurança. Posso vos dizer que durante toda a manhã que durou a visita, nunca por um momento nos sentimos em perigo, pelo contrário, fomos super bem acolhidos, com sorrisos e piadas, com as crianças contentes a correrem atrás das nossas bicicletas. Uma verdadeira experiência autêntica, daquelas que nos alegra o coração. Fizemos a tour com o Soweto Bycicle Tours, que nos convidou para esta visita, e que vivamente recomendamos. Fica aqui um pequeno vídeo que fizemos da muito agradável manhã que passámos no Soweto, filmada com a nossa GoPro Hero 3+, que a  Gadgets on Demand nos emprestou para a nossa volta ao mundo:

Gostámos tanto de esta zona que acabamos por ficar a dormir no Soweto, algo que parece incrivelmente perigoso, o que não é verdade. Ficámos no excelente hostel Lebo Soweto’s Backpackers, que é dos hosteis com melhores reviews em Johanesburgo, e merecidos, especialmente pela simpatia do staff e pelos pratos que saem da cozinha! Ficar aqui e  fazer o passeio em bicicleta completa verdadeiramente a experiência de quem quer descobrir o Soweto!

 

DSC_0246

DSC_0245

DSC_0317

 Declaração de interesses: ficámos no Lebo’s Soweto Backpackers a convite dos proprietários. Como sempre as opiniões aqui expressas são as nossas.

Comments

comments

Comments are closed.