Galle- Regresso ao passado na cidade mais típica do Sri Lanka

O Sri Lanka tem um atractivo especial para qualquer visitante português: a ligação histórica que temos com este país que data da altura dos Descobrimentos. Aquando da chegada dos Portugueses a Cochim, depressa se aperceberam que muitas das especiarias vinham de mais longe e que a Índia era apenas uma plataforma de comércio. Foi assim que surgiu o interesse dos nossos antepassados por explorar mais além e um dos primeiros sítios que conquistaram foi o então chamado Ceilão, conhecido na altura por ser o principal centro produtor de canela na Ásia.

Uma das primeiras coisas que nos apercebemos, especialmente por quem começa a visita do SriLanka por Negombo, é a quantidade de igrejas católicas que existem, assim como a profusão de apelidos portugueses: Silva, Fernandes, Pereira… Talvez mais importante ainda tenha sido o legado linguístico que deixámos com muitas palavras em singalês de origem portuguesa, como camisa, calças, sapato, janela, carteira… (tenho a impressão que  os srilankeses adoptaram os nomes de todas as novas coisas que trouxémos da Europa na altura!). A adopção da língua portuguesa a esta escala e acima de tudo a quantidade de nomes portugueses que se encontram ainda hoje é ainda mais incrível sabendo que a permanência lusa durou apenas 150 anos, antes de sermos derrotados pelos holandeses, os senhores que se seguiram!

O melhor sítio do Sri Lanka para poder apreciar uma cidade colonial e ter um feeling de uma outra época onde os nossos antepassados governavam a Ilha, é Galle. Esta é sem dúvida a cidade melhor preservada do Sri Lanka, tanto que o centro histórico, dentro das muralhas do forte, é considerado como património mundial da Unesco. Qualquer visita do Sri Lanka tem que obrigatoriamente passar por esta cidade. O meu conselho é que a visitem no fim, antes de tomar o voo de volta em Colombo, aproveitando para passar uns dias de descanso da volta à ilha, se preparar para o voo de volta, e, importante, aproveitar para comprarem as vossas souvenirs, já que este sítio é dos que tem mais variedade e qualidade na ilha para este tipo de coisas.

DSC_0866

A baía de Galle

O forte de Galle, começado a construir pelos Portugueses e terminado pelos Holandeses será certamente familiar para quem conhece a cidade fortificada de Valença, na fronteira de Portugal com Espanha. Grandes muralhas escuras de granito, com diferentes níveis. Hoje em dia, sobretudo no fim de semana, servem de caminho de passeio para turistas, estrangeiros e locais, que dão à volta ao forte, contemplando o mar. O ponto mais fotogénico é sem dúvida o Farol.

 

DSC_0868

DSC_0871

DSC_0883

 

Depois de passear um bocado ao longo das muralhas decidimo-nos perder pelas ruelas antigas de Galle Antigo. Por ser património Unesco toda esta zona está incrivelmente inalterada desde há décadas permitindo imaginar como eram todas as antigas cidades do Sri Lanka antes de uma altura onde o desenvolvimento desmesurado tomou conta da ilha e que tornou, na minha opinião, a maioria das cidades da ilha muito menos interessantes e charmosas. Galle é A cidade onde vale a pena ficar um ou dois dias inteiros.

DSC_0879

 

Compras e Onde comer

 

Esta é a altura de fazer as vossas últimas compras de recuerdos e de prendas e oferta é o que não vai faltar! Recomendo um poster vintage da loja Stick no Bills. Para chá, há imensas lojas, a maior parte pouco atraentes, mas uma que tem uma boa oferta é a Orchid House.

57cf766a9987a3d34f313ab3c767a260

Para comer o que não falta é oferta para todos os estilos: para um último curry experimentem o Lucky Fort Restaurant. Para desenjoar de comida Sri Lankesa têm o The Original Rocket Burger. Para um jantar de despedida vão ao Fortaleza e para um café ou comida internacional num ambiente cosy vão ao Pedlars Inn.

DSC_0069

 

À volta de Galle

 

Weligama

É aqui que se pode tirar uma das fotografias mais emblemáticas do Sri Lanka: os pescadores empoleirados numa vara à beira da praia, normalmente num cenário incrível de nascer ou pôr de sol. Decidimos não ir lá por termos lido relatos de multidões de turistas a tirar fotos aos pescadores que já não pescam nada, sendo apenas modelos fotográficos em troca duma moeda… (Estou curioso de saber a vossa experiência caso lá tenham ido- se tiverem interessados em partilhá-la por favor escrevam algo nos comentarios.) Para além dos pescadores há uma praia que parece ser muito agradável, segundo um dos nossos leitores assíduos! Ou seja, talvez valha a pena de aqui passar uma ou duas noites e no intervalo tirar uma fotozeca aos modelos!

Unawatuna

Esta praia faz parte do circuito turístico do sul do Srilanka. Ouvimos e lemos opiniões contraditórias deste sítio por isso resolvemos lá dar uma saltada. A cerca de 20/30 minutos de tuk tuk de Galle, é uma baía com uma praia agradável que em tempos deve ter sido um sitio incrível. Hoje em dia, na nossa opinião, está completamente sobre desenvolvido com chapéus de sol ao longo de toda a praia e imensos turistas. Há uma oferta grande de restaurantes e lojinhas, pelo que no máximo é uma tarde bem passada para quem está em Galle durante alguns dias.

DSC_1047

Unawutuna- Longe do charme de outrora…

Mirissa

Infelizmemte não tivémos tempo de vir a este sítio- vale a pena vir aqui para ver as baleias e a praia parece ser bastante boa. Algo turística mas não tanto como Unawatuna. De Galle é possível fazer excursões durante o dia para ir ver as baleias!

Onde ficámos

 

Tivémos a oportunidade de ficar no excelente Ginganga Lodge, situado mesmo à saída de Galle, num bairro tranquilo e isolado. Assim que passamos os portões de entrada ficamos rodeado de árvores e vegetação ao ponto de parecer estar isolado no meio da floresta. Mas na realidade estamos apenas a 10 minutos de tuc tuc do Forte de Galle! É um sítio ideal para descansar e carregar as baterias depois de percorrer as montanhas e plantações de chá do Sri Lanka e antes de apanhar aquele longo voo de regresso.

Este Lodge foi aberto muito recentemente e tem uma decoração que mistura o moderno e o tradicional, com muitas influências locais naturalmente. Gostámos especialmente das casas de banho ao ar livre, assim como dos alpendres e passadiços em madeira sob a água, ao longo da selva privada que rodeia os quartos super espaçosos, alojados em pavilhões individuais.

Um mergulho na piscina,  um cocktail no bar ao pôr do sol e um excelente jantar ou pequeno almoço feito na cozinha aberta mesmo ao nosso lado, complementam esta experiência exclusiva! Tudo isto numa calorosa hospitalidade que nos faz sentir em casa!

Não será o tipo de alojamento que fique dentro do budget todos os dias, mas sim um miminho que nos oferecemos antes de voltar para casa! Foi sem dúvida um dos melhores hotéis onde ficámos no Sri Lanka!

 

DSC_0783

DSC_0834

 

DSC_0797

DSC_0844

DSC_0815

 

DSC_0811

DSC_0819

DSC_0944

E vocês?

Já estiveram em Galle? Que acharam desta vila colonial? Que recomendariam a quem esteja a pensar lá ir? Que sítios nos arredores valem a pena? Deixam a vossa ajuda nos comentários em baixo!

 

Nota: ficámos no Ginganga Lodge a convite da gerência para os ajudar a promover o seu novo hotel a uma audiência que fale português. Como sempre as opiniões aqui expressas são as nossas.

Comments

comments

Comments are closed.