Ayutthaya- Os 5 sítios a visitar na antiga capital do Reino de Sião

 

Imaginem a cidade de Lisboa, em 1740, na altura umas das mais imponentes cidades do mundo certamente. Imaginem agora, que em vez dum terramoto, uma invasão espanhola, os inimigos de sempre,  tivesse destruído toda a cidade de Lisboa…a devastação foi tal que a capital mudou-se um pouco mais a sul, para Setúbal…

Um cenário surreal, catastrófico não? Pois foi o que aconteceu ao reino de Sião em 1767, quando os inimigos de sempre, os Birmaneses, derrotaram as forças tailandesas e destruiram por completo a capital do reino do Sião, na  época uma das cidades mais bonitas do mundo, incendiando a grande maioria dos edifícios, não por pura maldade, mas por ganância, para obter o ouro que cobria palácios, templos e estátuas.

A capital mudou-se para Bangkok, e Ayutthaya tornou-se hoje em dia numa pequena cidade, que vive em grande parte dos turistas que vêm durante o dia para visitar as ruínas da antiga capital Tailandesa.

Há literalmente dezenas de templos, palácios e ruínas em geral, pelo que pode ser difícil de nos orientar-mos, especialmente para quem vem durante um dia. Como preparar uma visita a Ayutthaya?

Antes de mais, a melhor maneira de chegar é não apanhar uma das tours de Khao San road para turismo backpacker de massas mas vir de comboio e pagar 15 Bahts em terceira classe! (menos de 50 cêntimos de euros!). Existem comboios regularmente quase de hora a hora. Ao chegar, a melhor maneira de andar entre os templos é alugar uma bicicleta, por 50 Bahts por dia. Porém, sabendo que há 2 templos dos obrigatórios que estão um pouco mais afastados, preparem-se para uma boa pedalada. Alternativamente o melhor será mesmo alugar uma scooter, ou, combinar o aluguer de bicicletas com um tuk tuk para os templos mais distantes.

Dito isto, quais são os sítios que tem mesmo que se visitar em Ayutthaya?

 

1) Wat Yai Chai Mongkol

Este templo é o mais afastado de todos, se bem que seja o mais perto da estação de caminho de ferro. Se optarem por visitar os templos mais longe de tuk tuk, idealmente venham aqui logo que chegarem a Ayutthaya. É o templo onde poderão ver as estátuas de budas em melhor estado de conservação. Vão mesmo apanhar um fartote delas, tal são numerosas, a rodear por completo o templo principal!

DSC_0724

2) Wat Mahathat

o Wat Mahathat está localizado no início do recinto histórico de Ayutthaia, já na ilha formada pelos diferentes rios que rodeam Ayutthaya. Se bem que seja um templo relativamente grande, está bastante destruído. Apesar disso, é aqui que podemos encontrar a imagem de marca de Ayutthaya, a cabeça do Buda encrostada na raíz duma árvore. Aqui ao pé poderão encontrar numerosos restaurantes, sendo um bom sítio para parar para almoçar antes de continuar para os outros templos.

DSC_0777

 

3) Wat Phra Si Sanphet

Este é o maior templo de Ayutthaya, com 3 chedis (espécie de torres) muito bem conservadas. Uma maquete mostra como a incrível dimensão do templo antes da sua destruição. Fica a uma pequena distância a pedalar do Wat Mahathat, do outro lado do parque.

DSC_0620

 

DSC_0632

 

4) Wat Chaiwatthanaram

Este foi o nosso templo favorito em Ayutthaya. Com uma localização lindíssima à beira rio, toma umas cores incríveis ao fim do dia, com a luz do sol, já enfraquecida, bate nas pedras vermelhas, criando um contraste incrível com o céu azul e o ervado liso à sua volta. É um bom sítio para descansar ao fim do dia, depois de visitar os templos anteriores, e fazer um chill out ao ver o sol descer no horizonte. Apesar de estar um pouco mais afastado, faz-se bem o caminho de bicicleta até aqui.

DSC_0761

 

5) “Aldeia” dos Portugueses

Obrigatório a qualquer português (ou brasileiro!) que venha a Ayutthaya é visitar o local onde a comunidade portuguese residia em Ayutthaya. Os portugueses foram, obviamente, os primeiros europeus a estabelecer uma embaixada em Ayutthaya e a fazer comércio com o reino do Sião, fornecendo nomeadamente armas de fogo e canhões, que fizeram o reino do Sião ganhar várias batalhas! Muitos portugueses foram elevados a guardas reais e ajudaram a reformular toda a estratégia militar do reino de Sião, com conceitos bélicos europeus, como fortalezas. Com a queda de Ayutthaya, a comunidade portuguesa também viu-se obrigada a partir, tendo-se estabelecido em Bangkok.

Não resta grande coisa da presença portuguesa, a par das fundaçãoes de alguns edifícios e da vários esqueletos desenterrados. Há uma exposição pequena mas simpática, feita com o apoio da Fundação Gulbeiken, que celebrou os 500 anos da chegada dos Portugueses a Ayutthaya. (a localização fica bastante fora de mão pelo que o melhor é virem de scooter ou de tuk tuk!)

DSC_0747

 

 

Onde ficámos em Ayutthaya

Ayutthaya vê-se perfeitamente num dia, especialmente para quem fica em Bangkok durante dois ou 3 dias antes de descer para as ilhas ou seguir para o Cambodja. Mas para quem tem um pouco mais de tempo ou depois segue para norte para Chiang Mai, ficar em Ayutthaya pode ser uma boa opção. Nós ficámos alojados no Pludhaya Resort & Spa, um hotel simpático nos arredores de Ayutthaya, no meio dos arrozais, ideal para descansar depois de um dia de templos! O que gostámos neste sítio foi o staff super simpático e prestável, os quartos em pequenas casinhas à volta dum lago com repuxos e cheio de peixes, e a piscina. O que gostámos menos foi o outro lado da moeda da tranquilidade, o facto de estar afastado dos templos. Para quem não tem transporte próprio (tipo scooter) fica um pouco inconveniente pagar um tuk para ir e vir ao centro!

DSC_0403

DSC_0395

DSC_0387

 

Já estiveram em Ayuthaya? Quais foram os vossos templos favoritos? Deixem comentário em baixo!

Declaração de interesses: ficámos no Pludhaya a convite da gerência. Como sempre as opiniões descritas aqui são as nossas.

 

***********************************

Já nos segues no Facebook, para seguires passo a passo a nossa volta ao mundo? Se ainda não, clica aqui!

Já nos segues no Instagram, para veres as nossas melhores fotos?  Se ainda não, clica aqui!

Já subscreveste à newsletter do 125Azul para não perderes um artigo? Se ainda não, clica aqui!

Comments

comments

Comments are closed.